segunda-feira, 16 de abril de 2012

_ O galo que logrou a raposa




A malícia da raposa



O leão convidou a bicharada inteira para uma festa em seu palácio. O primeiro a aparecer foi o urso. Vendo a caverna cheia de ossos de caça , cheirando à carniça, tapou o nariz.
O leão furiosos atirou-se sobre ele.
___ Patife! Entrar no meu palácio de mão no nariz!
E o matou.
Logo em seguida, aparece o macaco. Sente o mau cheiro, vê o urso por terra, compreende tudo e diz:
___ Que formoso palácio! Quanto asseio reina aqui! E como é perfumado o ar! Parece-me que estou num jardim maravilhoso, florido de lindas rosas!
O leão enfureceu-se de novo.
___ Estás caçoando, maroto? Pois toma lá... e matou- o com um tabefe.
O terceiro convidado a vir foi a raposa. Como é espertíssima, ao ver o urso e o macaco mortos percebeu que na casa dos reis não é de bom aviso ser sincero demais, nem lisonjeiro fora da conta. E preparou uma escapatória.
___ Então ___ exclamou o rei ___ que achas do meu palácio?
___ Para falar a verdade ___ disse a raposa ___ não posso dar opinião. Venho da luz do Sol e pouco estou enxergando aqui dentro...
___ E o cheiro?
___ Também não posso ajuizar porque estou sem nariz, estou resfriadíssima...
E nada lhe aconteceu.







O galo que logrou a raposa


Um velho galo matreiro, percebendo a aproximação da raposa, empoleirou-se numa árvore. A raposa, desapontada, murmurou consigo: “ Deixe estar, seu malandro, que te curo!”...
E em voz alta:
___ Amigo, venho contar uma grande novidade: acabou-se a guerra entre os animais. Lobo e cordeiro, gavião e pinto, raposa e galinha, todos os bichos andam agora aos beijos como namorados. Desça desse poleiro e venha receber o meu abraço de paz e amor.
___ Muito bem! ___ exclamou o galo. Não imagina como tal notícia me alegra! Que beleza vai ficar o mundo, limpo de guerras, crueldades e traições! Vou já descer para abraçar a amiga raposa, mas... como lá vêm vindo três cachorros, acho bom esperá-los, para que também eles tomem parte na confraternização.
Ao ouvir falar em cachorros, a raposa não quis saber de histórias, e tratou de pôr-se ao fresco, dizendo:
___ Infelizmente, amigo co-có-ri-có, tenho pressa e não posso esperar pelos amigos cães. Fica para outra vez a festa, sim? Até logo.
E sumiu.

( Fábula. Monteiro Lobato)







Agora é com você!

1- Na fábula “A malícia da raposa”:

a) Você acha que o urso agiu corretamente? Por quê?

____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________
b) O macaco, na sua opinião, mentiu? Por quê?
____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________
 c) E a raposa? Ela disse a verdade?

____________________________________________________________________________
d) No seu dia-a- dia, quando percebe que está numa situação complicada, em que dizer a verdade ou a mentira é decisivo, com qual dos três bichos você se identifica mais? Por quê?

____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________
2- Na fábula “O galo que logrou a raposa”:

a) a raposa mentiu porque queria comer o galo. Você acha correto usar a mentira para conseguir as coisas que deseja? Por quê ?

____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________
b) O galo foi esperto e enganou a raposa. O que você achou da atitude do galo?

____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________
 3- Pensando nas duas fábulas, responda:

a) Como você acha que o ser humano pode ser fiel à verdade?

__________________________________________________________________________
 b) Por que você acha que as pessoas mentem?


Nenhum comentário:

Postar um comentário